Buscar
  • Marcela Argollo

'Burnout' é um estado não 'compliance'

Uma das consequências do mundo globalizado e competitivo em que estamos vivendo hoje é a síndrome de burnout (distúrbio causado pelo esgotamento físico e mental dos profissionais), resultando assim em stress, comunicação violenta, menor empatia, dentre outros. Sintomas estes opostos dos skills que necessitamos para conseguirmos viver bem nessa Era Complexa e mundo BANI(*).

A busca incessante das empresas por lucro e resultados financeiros positivos gera uma cobrança muito alta a seus colaboradores – que precisam bater metas irreais de entrega. Parece que nunca se está bom o suficiente! Quando o colaborador fecha um deal de R$ 1MM, não fez mais que a obrigação, e no mês seguinte precisa fechar um de R$ 2MM caso queira permanecer no seu cargo.

Isso gera, portanto, um extremo stress e ambiente predatório. Dois ingredientes que juntos não conseguem transformar nada em inovação. As empresas precisam mudar o mindset de busca do lucro para realização de um propósito maior. O fomento desse ambiente predatório leva os colaboradores a vestirem máscara e armadura para caberem naquele ambiente, afinal – na mente – estão indo para uma “batalha” diária. Esse fato se agrava com o mundo multicultural no qual, no acolhimento à diversidade, tudo vale, fazendo com que a conduta ética seja questionada. Porém, só conseguimos ser éticos quando deixamos nossa essência e verdade aflorarem.

Para que uma empresa tenha uma governança corporativa forte ela precisa ser transparente e posicionada e, para que isso ocorra, essa empresa precisa viver sua verdade e seu propósito. Para viver isso, precisa de líderes com princípios e valores iguais aos dela atuando ativamente e diariamente no engajamento dos colaboradores. Tudo está interligado e tem início nos valores e princípios éticos. Quando entendemos que princípios são itens não negociáveis conseguimos ter segurança e confiança nas pessoas, afinal os princípios e valores dos líderes e colaboradores estão alinhados com os da empresa.

O que realmente ocorre são pessoas cansadas e estressadas, vestindo armaduras para lutar diariamente e sobreviver a um ambiente predatório, não conseguindo assim viver com a guarda baixa, em sua verdade e essência, levando então a um esgotamento físico e mental (burnout) afinal de contas, ninguém consegue sustentar um personagem por muito tempo! Essa necessidade contínua de se obter mais e mais lucros levam pessoas a viverem no piloto automático deixando de usar sua intuição e percepção sobre as ações, não permitindo ter senso crítico e empatia para avaliar a ética nas situações do cotidiano.

A solução para a melhoria da saúde mental dos colaboradores seria, então, um maior foco na governança corporativa disseminando os princípios éticos que regem a empresa e fomentando em seus colaboradores o pertencer e não mais o caber.

(*) Brittle, Anxious, Nonlinear, Incomprehensible (Frágil, Ansioso, Não-linear, Incompreensível).

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Cresci ouvindo a frase: você tem que viver “dormindo com o inimigo”. No último mês me peguei pensando, refletindo e desafiando a interpretação dessa frase. Aprendi nos meus últimos 4 anos que para con

A Era industrial trouxe consigo alguns marcos importantes no modo de agir das organizações e colaboradores. Na década de 1920 emergiu a produção em massa, passando pela eficiência nos meados de 1950,

Lembro-me que antigamente, quando meu brinquedo quebrava, levava ao “doutor” brinquedos para conserto. Hoje, jogamos o brinquedo fora e compramos outro, afinal de contas não vale a pena o conserto poi