Buscar
  • Marcela Argollo

Vale a pena "dormir com o inimigo"?

Cresci ouvindo a frase: você tem que viver “dormindo com o inimigo”. No último mês me peguei pensando, refletindo e desafiando a interpretação dessa frase.

Aprendi nos meus últimos 4 anos que para conseguirmos viver na nossa real essência e consequentemente performarmos de maneira única e de alta performance, precisamos de pertencimento e segurança psicológica. Pensar em ter um colaborador dentro da empresa a qual você não tem total confiança, faz com que o gasto de energia mental para se blindar do que essa pessoa possa vir a fazer seja muito grande, consequentemente não canalizando essa energia para o crescimento da organização.

Como já dizia Sun Tzu, tenha seus amigos perto e inimigos mais ainda é uma frase o tanto quanto peculiar. Sim precisamos a nível estratégico entender a leitura do concorrente, mas não tê-lo dentro da empresa. Não há ninguém no mundo que seja insubstituível em quesitos de performance organizacional, cabe a empresa ter foco, paciência e persistência em realizar corretamente a contratação de pessoas de confiança e daí sim investir a médio e longo prazo no desenvolvimento intelectual desses parceiros e colaboradores.

Saber que você tem ao lado pessoas que estão esperando o minuto que você vire para te apunhalar pelas costas faz com que trabalhamos sempre em modo de alerta. Este modo mental na psique é utilizado apenas para SOBREVIVERMOS. Vimos que nesta Era do capitalismo consciente precisamos VIVER nossa real essência e conseguirmos usar da nossa criatividade para inovarmos sempre. Para isso acontecer precisamos então estarmos inseridos em um ambiente propicio, com pessoas te incentivando sempre, felizes por todas as vitórias afinal de contas a vitória de um colaborador é a vitória da empresa como um todo, já que o objetivo em comum é o laço o qual se tem vínculo e conexão entre as pessoas.

Por isso o trabalho de cultura organizacional bem como a escolha dos valores e princípios da empresa são primordiais para que se estabeleça um norteamento de perfil de contratações, afinal valores e princípios são virtudes não negociáveis e quanto mais congruência entre os valores da empresa com os valores dos colaboradores, maior pertencimento e segurança psicológica a empresa passará resultando portanto em uma melhor performance dos seus colaboradores e chegando a tão esperada excelência em resultados.

Porém para que essa equação aconteça são necessários alguns itens tais como:

- Relação ética e de transparência

- Bom trabalho de perfil de contratação (saber qual perfil se quer contratar)

- Desenvolvimento da liderança

- Investimento em educação contínua de todos os colaboradores.


Para que uma organização prospere é preciso se gerar um ambiente com princípios éticos e sólidos, alinhamento de valores, aceitação a vulnerabilidade e comunicação transparente. Para se ter uma organização próspera é necessário focar em uma Governança Corporativa de excelência!



1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Era industrial trouxe consigo alguns marcos importantes no modo de agir das organizações e colaboradores. Na década de 1920 emergiu a produção em massa, passando pela eficiência nos meados de 1950,

Uma das consequências do mundo globalizado e competitivo em que estamos vivendo hoje é a síndrome de burnout (distúrbio causado pelo esgotamento físico e mental dos profissionais), resultando assim em

Lembro-me que antigamente, quando meu brinquedo quebrava, levava ao “doutor” brinquedos para conserto. Hoje, jogamos o brinquedo fora e compramos outro, afinal de contas não vale a pena o conserto poi